sábado, 7 de outubro de 2017

Chapters & Scenes #1 | Girl Bosses

Oxalá que este post não perca a sua linha guia e que consiga escrever um texto com pés e cabeça. Isto não é de todo a minha praia mas foi por isto mesmo que me quis juntar ao projeto.

Este é o primeiro post da rubrica Chapters & Scenes.
Esta rubrica foi criada pela Mariana do blog It's Ok e basicamente consiste em escrever sobre um filme ou um livro que nos tenha marcado em determinado tema. Todos os meses haverá um tema diferente e todas as semanas que tenham o dia 7 (por ser uma rubrica relacionada com a 7ª arte) podem encontrar aqui, e nos restantes blogs participantes, um post alusivo a este desafio.
Coisas que vos posso revelar:
E que o tema deste mês é GIRL BOSSES.
O tema é bastante curioso, visto que estou numa fase da minha vida onde percebo que realmente posso muito. Posso muito porque sou mulher e posso muito porque acredito.

Coisas que vos posso confessar:

Que isto não é de todo a minha cena e que estou cheia de medo de não saber do que escrever nem como escrever. Temos (nós os 11 blogs participantes) um grupo no facebook para discutir algumas coisas sobre este projeto e fiquei em "pânico" quando percebi o nível de leituras e filmes da maior parte dos participantes. OK, eu aqui no meio sou um simples elemento da plebe, zero de nobreza, tudo filmes e livros tão comerciaizinhos! ahahah Mas adiante, aposto que querem saber em que é que peguei para o tema girl bosses e o que interessa é refletir e escrever com conclusões importantes sobre qualquer coisa.

Diz-lhe que não, Helena Magalhães
Para ser mesmo muito sincera ainda não acabei de ler este livro, vou sensivelmente a meio - sim, eu demoro muito  a ler livros, mas assim que vi que o tema era girl bosses este livro veio-me de imediato à mente e acho que não posso negar os meus impulsos.

Para mim a Helena, ou a personagem que ela veste no "Diz-lhe que não", é uma verdadeira Girl Boss
Vivemos numa época de um feminismo crescente - e ainda bem - mas se por um lado o feminismo quer dar mais força, direitos e poder às mulheres, por outro lado acho que também é hora de sermos mulherzinhas e assumir a merda que fazemos, os defeitos que temos e o feitio complicado - tudo culpa do estrogénio - que é nossa característica quase sempre. A Helena fez isso, assumiu tudo e mesmo assim tenho-a como uma girl boss.

Vou ser muito específica: homens! Porque é que os homens podem ter conversas menos nobres sobre mulheres sem serem julgados e ao primeiro comentário mais maroto que as mulheres tenham sobre homens são automaticamente colocadas no saco "Deves ser fresca, deves!"?


A Helena abriu-se no "Diz-lhe que não", fala de homens, conta mais de 20 episódios sobre eles, sem vergonhas, sem pudores e tem a coragem e o poder de dizer que não a esses homens, porque quer mais, porque merece melhor, porque é uma girl boss.
Este livro retrata a verdadeira girl boss porque ela não tem vergonha de assumir que erra, não se sente menos do que ninguém por assumir isso e no fim, ainda sai por cima.

Não é por ter nascido mulher que tenho de acertar à primeira no meu príncipe encantado. Não faz mal conhecer alguns homens errados antes do certo e não é preciso ter vergonha disso. Este livro faz-me pensar que de todas as experiências ou situações menos boas, principalmente sobre homens porque é do que o livro fala, mas também noutros campos da vida, devem ser analisadas de forma a reter uma lição e sobretudo de forma a evitar que não se comentam os mesmos erros duas vezes. Mais uma vez especificamente sobre homens, esta girl boss quer gritar ao mundo - e com toda a razão - que se a relação não der certo temos de ser mulheres em toda a essência desse título: temos de arregaçar as mangas, por a preguiça, o medo ou o que quer que seja de lado e irmos em busca do verdadeiro amor: aquele que nos faz feliz todos os dias e aquele que merecemos por termos nascido mulheres.

Este livro está a ser importante para mim na medida em que me tem obrigado a parar a meio de cada capítulo para pensar em alturas menos boas do meu passado, a compreender melhor o que deixei la a trás e a resolver-me interiormente.
E presentemente faz-me pensar e agradecer o homem que tenho a meu lado e pedir para que continuemos a conseguir caminhar de mãos dadas e que nunca nenhum de nós faça nada que obrigue o outro a "dizer-lhe que não".

8 comentários:

  1. É isto mesmo Xana! Gostei muito da forma de ver isto das girl bosses! Também leio e vejo filmes mais comerciais e portanto identifico-me. Já li o livro da Helena e concordo contigo, de uma maneira bem leve, ela faz nos perceber coisas acerca de nós! Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pronto, acho que consegui transmitir a minha ideia, então :) Se bem que não me senti mesmo à vontade nem confiante a escrever este post! Tenho mesmo de arriscar :p Beijinhos lindona *

      Eliminar
  2. Xana, adorei o teu post. Quando me juntei ao projeto também tinha esse medo (isto é demasiado para mim, estas raparigas já tem tempos e tempos de blogs e eu ando aqui a saltitar de wordpress pra sapo para ver se me adapto e vou meter-me nisto?) é um desafio mas acho que estivemos bem :) Vou ver se encontro esse teu livro, fiquei curiosa :)

    Monica (daily echo)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Really?! *.* Obrigada Mónica, de <3
      Isso do tempo dos blogues nada tem a ver com esta rubrica, é preciso é ser-se crítica e ter a curiosidade sempre apurada :D Acho que vais gostar de ler, de uma forma geral, acho um livro obrigatório para qualquer mulher :D
      Beijinhos *

      Eliminar
  3. Que boa sugestão e acho que te saíste muito bem :)
    Já li o livro da Helena e concordo contigo, ela é um grande exemplo de girl boss!

    It's Ok

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Mariana :D estava (e ainda estou um bocadinho) cheia de medo!
      Um grande beijinho *

      Eliminar
  4. Adoro a Helena e adoro-te a ti. E ver as duas num post é, logo à partida, muito bom.
    Esse livro levou-me a perceber, entre tantas outras coisas, que não sou a única a viver essas histórias. A Helena ensina-nos, dia após dia, a cuidar de nós e a não precisar de homem algum.
    E tu, meu amor, fazes-me, cada dia que passa, gostar mais de ti.

    Um beijinho gigante
    www.keke.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh meu amor *.*
      Tal e qual como dizes: não somos as única a viver estas histórias. É tão importante sentir isso.
      E eu de ti, princesa <3
      Beijinho maior do que a distância que nos separa (em milímetros :p)

      Eliminar

Obrigada por tomares esta Chávena de Charme!
Os comentários serão respondidos assim que possível, no mesmo post!